PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS DE CLIENTES DE UMA FARMÁCIA DO MUNICÍPIO DE AGUAÍ-SP

Samuel Fantin PEDRO, Danyelle Cristine MARINI

Resumo


Os anti-inflamatórios não esteroidais (AINES) são medicamentos utilizados em diversas áreas clínicas, e agem inibindo a enzima ciclooxigenase (COX), as quais existem três tipos. Diante disso, existem os medicamentos inibidores não seletivos que inibem os dois subtipos de enzimas (COX 1 e COX 2), e os seletivos que inibem somente COX 2. Entre os AINEs, existem os que são medicamentos isentos de prescrição (MIPs) e os que necessitam de prescrição. Os AINES são uma das classes mais utilizadas na automedicação devido alguns serem de venda livre. Diante disso, é de extrema importância o estudo do perfil de utilização dos AINEs devido ao uso incorreto que pode acarretar reações adversas. O objetivo do trabalho foi estudar o perfil de utilização desta classe de medicamento, considerando a automedicação com AINEs, identificando qual a intenção do uso e quais os mais utilizados, bem como quem indicou o uso. O estudo foi realizado por meio da aplicação do questionário, foi observado que boa parte dos entrevistados faz uso de algum tipo de anti-inflamatório, seja com ou sem prescrição. Durante o período de estudo foi observado que os entrevistados, que utilizam sem prescrição, faz porque considera desnecessária uma consulta médica, a maior parte dos entrevistados respondeu que tomam AINES para dor de cabeça. Diante do exposto, cabe ao profissional dispensador conscientizar e orientar sobre o uso racional de medicamentos em geral não só dos AINES, e assim diminuir ou evitar as reações adversas e as interações medicamentosas.

Palavras-chave


Anti-inflamatório. Uso Racional de Medicamentos. Automedicação.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, C. L. Conhecimento de idosos sobre o uso de medicamentos e interação medicamentosa. RBCEH, Passo Fundo, v. 8, n. 2, p. 188-195, 2011. Disponível em: . Acesso em: 03 de junho de 2016.

ARRAIS, P. S. D.; COELHO, H. L. L; BATISTA, M. C. D. S.; CARVALHO, M. L.; RIGHI, R. E.; ARNAU, J. M. Perfil da automedicação no Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 31, n.1, p. 71-77, 1997.

CUNHA, S. C.; MONTEIRO, M. P.; COELHO FILHO, J. M. Perfil e adequação dos medicamentos prescritos para idosos internados em hospital de ensino da cidade de Fortaleza – CE. RBCEH, Passo Fundo, v. 7, n. 3, p. 406-418, 2010. Disponível em: . Acesso em: 04 de junho de 2016

FLEMING, I.; GOETTEN, L. F. Medicamentos mais utilizados pelos idosos: Implicações para a enfermagem. Arq. Ciênc. Saúde Unipar, Umuarama, v. 9, n. 2, p. 121-128, 2005. Disponível em: . Acesso em: 03 de junho de 2016.

FRANCO, G. C. N. et al. Uma análise crítica sobre a viabilidade do uso dos inibidores seletivos de COX-2 em odontologia, 2006. Disponível em:< https://www.researchgate.net/profile/Luciane_Lopes2/publication/242240715_Uma_analise_critica_sobre_a_viabilidade_do_Uso_dos_inibidores_seletivos_de_coX2_em_odontologia_Viability_Of_the_USe_Of_SeleCti_Ve_COX2_inhibit_ORS_in_denti_St_Ry_CRiti_Cal_analy_SiS/links/004635305e844267a2000000.pdf>. Acesso em 05 de jan. De 2020.

FUCHS, F. D.; WANNMACHER, L.; FERREIRA, M. B. C. Farmacologia Clínica Fundamentos da Terapêutica Racional. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

GIROTTO, E.; MATOS, D. B. S.; OLIVEIRA, J. M. Perfil da automedicação em população residente de Arapongas, Paraná. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, v. 11, n. 2, p. 29-38, 2010.

LOYOLA FILHO, A. I. DE.; UCHOA, E.; GUERRA, H. L. et al. Prevalência e fatores associados à automedicação: resultado do projeto Bambuí. Revista Saúde Pública, Londrina v. 36, n. 1, p. 55-62, 2002.

LOYOLA, FILHO et al.,Prevalência e fatores associados à automedicação: resultados do projeto Bambuí, Revista Saúde Pública; v.36, n.1, p.55-62, 2002. Disponível em:. Acesso em: 28 fev. 2016.

MELGAÇO, S. S. S. Et al. Nefrotoxicidade dos anti-inflamatórios não esteroidais. Rev. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Ribeirâo Preto, 2010, p.384. Disponível em: Acesso em: 19 abril, 2016.

OLIVEIRA, M. I. M. S. É possível retardar o envelhecimento vascular? Estado da arte, 2013. Dissertação (Mestrado em Medicina) – Faculdade Ciências da Saúde da Universidade da Beira Interior, Covilhã, 2013. Disponível em: Acesso em: 04 agosto de 2016.

OLIVEIRA, A. B. et al. Obstáculos da atenção farmacêutica no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, São Paulo, v. 41, n. 4, 2005. Disponível em: . Acesso em: 05 agosto de 2016.

PESSOA, D.L.R.; CARTÁGENES, M.S.S., Informações Disponiveis Na Internet Sobre Automedicação. Disponível em: . Acesso em 29 fev.2016.

SANDOVAL, A. C. et al. O USO INDISCRIMINADO DOS ANTI-NFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS (AINES), 2017. Disponível em: . Acesso em 05 de jan. De 2020.

SILVA, C. H.; GIUGLIANE E. R. J., Consumo de medicamentos em adolescentes escolares: uma preocupação, Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 80, n.4, p. 326-328, Rio de Janeiro, 2004. Disponível em:. Acesso em: 06 fev.2016.

SILVA, A. F.; SILVA, D. A. Fármacos Anti-Inflamatórios Não Esteroidais Mais Dispensados Em Uma Farmácia Comercial Do Município De Itaocara, Estado do rio de janeiro, Brasil. Acta BiomedicaBrasiliensia, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 1-14, 2012.

TIERLING, V.L., et al. Nivel De Conhecimento Sobre A Composição De Analgésicos Com Ácido Acetilsalicílico. Rev Saúde Pública, São Paulov.38, n.2, p.223-7, 2004. Disponível em:. Acesso em 29 fev. 2016

VERDASCA, A. C. R. S. Utilização dos Anti-Inflamatórios Não Esteróides (AINES) em Medicina Dentária: Indicações, Contra-Indicações e Efeitos Adversos, 2015. 42f. Dissertação (Mestrado Integrado em Medicina Dentária) -Faculdade de Medicina Dentária, Universidade do Porto, Porto, 2015. Disponível em:. Acesso em: 19 Abril, 2016.

VILARINO, J. F.; SOARES, I. C.; SILVEIRA, C. M.; RODEL, A. P. P.; BORTOLI, R.; LEMOS, R. R. Perfil da automedicação em município do Sul do Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 32, n.1, p. 43-49, 1998.

WANNMACHER, L; BREDEMEIER, M. Antiinflamatórioos não-esteróides: Uso indiscriminado de inibidores seletivos de ciclooxigenase-2. Opas/Pms.,v.1, n.2, p.1.Disponível em:. Acesso em: 19 abril, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.