CONTROLE DO USO DE ANTIMICROBIANOS NO CONTEXTO ATUAL EM UMA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MOGI GUAÇU-SP

Danyelle Cristine MARINI, Jéssica Elaine Dias ELISIARIO

Resumo


Uma das principais preocupações com o uso racional de medicamentos é a utilização de antimicrobianos, pois alguns deles contribuem para o aumento da resistência bacteriana, fato relevante que fez que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária publicasse a Resolução 20 de 2011, estabelecendo normas para as farmácias e drogarias, as quais somente podem dispensar os antimicrobianos com retenção de receita. Nesse contexto, esse estudo teve como objetivo avaliar as implicações na aquisição dos antimicrobianos por parte da sociedade após a publicação da resolução da ANVISA pela elaboração da pesquisa em formato de questionário. Após aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa das Faculdades Integradas Maria Imaculada e assinatura do termo de livre consentimento e participação, em obediência à Resolução 466 de 2012 do Conselho Nacional de Saúde, foramentrevistadas 100 pessoas moradores do bairro Zaniboni I do Município de Mogi Guaçu-SP. Dentre os voluntários, todos já fizeram uso de algum tipo de antimicrobiano, sendo que a maioria segue a
prescrição médica. No que se refere à indicação do medicamento, 60 foram pelo médico, 14 pelo dentista, 22 pelo farmacêutico e 4 pelo balconista. A doença com o maior índice de tratamento foi a infecção de urina (15), seguida das infecções ginecológicas (12). Em relação à visão do entrevistado perante o controle da venda de antimicrobianos, 38 deles viram de forma benéfica está alteração. De acordo com os dados analisados concluímos que a medida proposta pela ANVISA é  extremamente benéfica, pois com o controle pode promover a diminuição do risco de aparecimento de resistência bacteriana.


Palavras-chave


Uso racional de medicamento; Assistência Farmacêutica; Resistência bacteriana; Antimicrobianos.

Texto completo:

PDF

Referências


ÁLVARES, A. Antimicrobianos: uso abusivo x uso racional. Pharmacia Brasileira, Brasília, p.51-52, 2009.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Informe Técnico sobre a RDC nº 20/2011. Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substancias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição, isoladas ou em associação. Brasília, 2011.

BRASIL. Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo. Antimicrobianos. Projeto Farmácia Estabelecimento de Saúde: Fascículo VI. Brasília, 2011.

BRUNTON, L.L., et al. Goodman & Gilman: As bases Farmacológicas da

Terapêutica. 11. ed. Rio de Janeiro: Mc Graw Hill, p. 983 – 1052, 2003.

CALDEIRA, L. et al. Monitorização do consumo de antimicrobianos nos serviços de cirurgia e de ortopedia de seis hospitais SA. Acta Médica Portuguesa. Revista Cientifica da Ordem dos Médicos, n.19, p.55-66, 2006.

CONCEIÇÃO, S.; MORAIS, D.C.M.de. Automedicação com antimicrobiano em estabelecimento farmacêutico do município de Mogi Mirim, SP, Brasil. Revista Foco, ano 3, n.3, p. 23-34, 2012.

FARIAS,A.P.deF.; MORAIS, D.C. Avaliação do uso de antimicrobianos a partir de prescrições médicas em unidades de saúde da família. João Pessoa-PB, 2013.

FEITOSA, F.P.J. O perfil do farmacêutico n controle do uso racional de

antimicrobianos. Escola de Saúde Pública do Ceará. Curso de Especialização em Assistência Farmacêutica. Monografia apresentada para obtenção do titulo de especialista em Assistência Farmacêutica. Ceará, 2006.

FERREIRA, W.; SILVA, J.H.M.; PASCHOAL, L.R. Aspecto da automedicação na sociedade brasileira: fatores sociais e políticos. Infarma, Brasília, v.21, n. 7/8, p. 46-50, 2009.

FONSECA, A. L. Interações medicamentosas, 4.ed. São Paulo: EPUB, 2008.

HAUSER, A. R. Antimicrobiano na Pratica Clínica. Porto Alegre: Artmed, p.111, 2009.

JOÃO, W.daS.J. Descarte de Medicamentos. Artigo. Pharmacia Brasileira, Brasília, Ano XII, n.82, p.14-16, 2011.

LOYOLA FILHO, A.I.de; UCHOA, E.; GUERRA, H.L. et al. Prevalência e fatores associados á automedicação: resultado do projeto Bambuí. Revista Saúde Pública, São Paulo, v.36, n. 1, p. 55-62, 2002.

MINAYO, M.C.deS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 23.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

NICOLINI, P. et al. Fatores relacionados à prescrição médica de antimicrobianos em farmácia pública da região Oeste da cidade de São Paulo, RevistaCiências& Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, n.13, 2008.

OLIVEIRA, S.L. Tratamento de Metodologia Científica. 2.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 115-117, 1999.

REVISTA DO FARMACÊUTICO. Antimicrobianos. Publicação do Conselho

Regional de Farmácia do Estado de São Paulo, N.13, 2011.

TAVARES, N. U. L.; BERTOLDI, .A. D.; BAISCH, A. L. M. Prescrição de

antimicrobianos em unidades de saúde da família no Sul do Brasil. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 8, p.1791-1800, 2008.

VA, K. V.; FREITAS, M. M. de; CIRQUEIRA, J. Z. Investigação sobre a Forma se Descarte se Medicamentos Vencidos. CenariumPharmacêutico, p. 1-25, n 4, 2011 VIEIRA, P.A.P. Estudo do perfil de consumo de anti-inflamatório não esteroidais isentos de prescrição. Trabalho de conclusão de curso para obtenção de título de bacharel em Farmácia. Faculdades Integradas Maria Imaculada. Mogi Guaçu, 2014.

VILARINO, J.F.; SOARES, I.C.; SILVERIRA, C.M.; RODEL, A.P.P.; BORTOLI, R.; LEMOS, R.R. Perfil da automedicação em Município do Sul do Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.32, n.1, p. 43-49, 1998.

WANNMACHER, L. Uso indiscriminado de antimicrobianos e resistência

microbiana: uma guerra perdida?. Uso rUso racional de medicamentos: temas selecionados. Brasília, v.1, n.4, p.1-6, 2004.

WEBER, B.R. et al. Analise dos medicamentos e interações potenciais em prescrições contendo antimicrobianos dispensados em uma farmácia comunitária de Ijuí/RS.Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, Rio Grande do Sul, v.2, N.4, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.