Análise da frequência e resistência dos Agentes causadores de infecção do trato Urinário em pacientes da Santa Casa da cidade Mogi Mirim

Danyelle Cristine MARINI, Elizabeth de Fátima Cavenaghi DANTE, Juliana Alves REIS

Resumo


As infecções do trato urinário (ITUs) são uma das mais importantes entre as infecções hospitalares com maior recorrência no sexo feminino. O objetivo deste trabalho foi realizar uma análise da frequência e do perfil de resistência dos micro-organismos causadores de ITUs em pacientes hospitalizados da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Mogi Mirim, São Paulo, Brasil. O levantamento foi feito baseado no banco de dados eletrônico da Santa Casa através das uroculturas analisadas no Laboratório de Análises Clínicas terceirizado, no período de janeiro de 2006 a novembro de 2009, com 1494 amostras provenientes dos pacientes da Santa Casa referida; foram identificadas 440 positivas. Os micro-organismos mais identificados foram Escherichia coli (41%), seguida da Klebsiella pneumoniae (15%) e Proteus mirabilis (4%). O antibiótico cefalotina apresentou maior prevalência de resistência em pacientes com Acineto balmanni, seguido da ciprofloxacino e amicacina em pacientes infectados com a bactéria resistente Pseudomonas aeuroginosa. Por fim, o estudo contribui para orientar a CCIH com estratégicas particularizadas em relação ao uso racional de antimicrobianos e acompanhamento terapêutico melhorado no ambiente hospitalar.


Palavras-chave


Incidência. Urocultura. Bactérias. Resistência. Antibióticos

Texto completo:

PDF

Referências


BAIL, L. Infecção do trato urinário: comparação entre o perfil de susceptibilidade e a terapia empírica com antimicrobianos. Revista Brasileira de Análises Clínicas. v. 38, nº 1, p. 51-56, 2006.

CRAIG, C. R.; STILZEL R. E. Antimicrobianos Orgânicos Sintéticos: Sulfonamidas, Trimetoprima, Nitrofuranos, Quinolonas e Metenamina. In: _______________. Farmacologia Moderna: com Aplicações Clínicas. 6ª Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. p. 475-524.

HEILBERG, I. P; SCHOR, N. Abordagem Diagnóstica e Terapêutica na Infecção do Trato Urinário – ITU. Revista da Associação Médica Brasileira. v. 49, nº 1, p. 109-16, 2003.

HELITO, A. S.; KAUFFMAN, P. Saúde: Entendendo as Doenças. A enciclopédia Médica da Família, São Paulo: Nobel, 2007.

HENRY, J. B. Diagnósticos Clínicos e Tratamento por Métodos Laboratoriais, 20ª ed. São Paulo: Manole, 2008. cap. 18, p. 427-469; cap. 50, p. 1252-1286; cap.51, p. 1287-1300.

KOCH, C. R; et al. Resistência antimicrobiana dos uropatógenos em pacientes ambulatoriais, 2000-2004. Revista Brasileira de Medicina Tropical. v. 41, nº 3, p. 277-281, mai. - jun. 2008.

KONEMAN, E; et al. Diagnóstico Microbiológico Texto e Atlas Colorido. 6ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. cap. 2, p. 67-108; cap. 6, p. 208-299.

LUCCHETTI, G; et al. Infecções do Trato Urinário: Análise da Frequência e do Perfil de Sensibilidade dos Agentes Causadores de Infecções do Trato Urinário em Pacientes com Cateterização Vesical Crônica. Jornal Brasileiro de Patologia Médica Laboratorial. v. 41, nº 6, p. 383-9, dez. 2005.

MAZA, L. M. de la; et al. Atlas de Diagnóstico em Microbiologia. Porto Alegre: Artes médicas Sul, 2001. cap. 4, p. 25-31, cap. 13, p. 107-112.

PIRES, M. C; et al. Prevalência e suscetibilidade bacterianas das infecções comunitárias do trato urinário, em hospital universitário de Brasília, no período de 2011 a 2005. Revista Brasileira de Medicina Tropical, v. 40, nº 6, nov. - dez. 2007.

POLETTO, K. Q; REIS, C. Suscetibilidade Antimicrobiana de Uropatógenos em Pacientes Ambulatoriais na Cidade de Goiânia, GO. Revista Brasileira de Medicina Tropical. v. 38, nº 5, p. 416-420, set.-out. 2005.

RANG, H. P; et al. Farmacologia. 6ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. cap. 46, 661-678.

ROSSI, F; ANDREAZZI, D. B. Resistência bacteriana: Interpretando o antibiograma. Ed. São Paulo: Atheneu, 2005. cap. 1, p. 7, cap. 2, p. 15-17, cap. 3, p. 36.

SILVA, C. H. P. M. e. Bacteriologia: Um Texto Ilustrado. Teresópolis, Rio de Janeiro: Eventos, 1999. cap. 10, p. 107-120.

TAVARES, W. Bactérias gram-positivas problemas: resistência do estafilococo, do enterococo e do pneumococo aos antimicrobianos. Revista Brasileira de Medicina

Tropical, v. 33, nº 3, p. 281-301, mai.-jun. 2000.

TORTORA, G. J; et al. Microbiologia. 8ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2005. cap. 4, p. 75-110, cap. 26, 741-761.

TRABULSI, L. R; et al. Microbiologia, 5ª ed. São Paulo: Atheneu, 2008. cap 11, p. 93-99, cap. 5, p. 37-49.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.