TICs na ETI: deficiência visual e a percepção de professores

Maria Teresa Rocha Trinãnes

Resumo


As políticas públicas têm facilitado o acesso e uso de recursos tecnológicos, multimeios, na escolarização de alunos que apresentam deficiência visual (DV) facilitando a aprendizagem, enriquecendo a prática docente. A Secretaria de Educação Básica legitima a todos os educandos o direito de apropriarem-se do conhecimento utilizando-se de Tecnologias de Informação e de Comunicação (TICs) como meios e ferramentas de acesso à comunicação, permitindo-lhes acompanhar o ensino regular com equidade; destacando-se as TICs de acesso ao Sistema Braille, o Concept Phone, o Jaws, Dos Vox, Virtual Vision, Software SeeScan, os audiolivros, entre outros. A Educação Especial, como modalidade de ensino na escola regular, vem atuando como promotora da inclusão escolar, complementado pelo Atendimento Educacional Especializado (AEE) com orientações técnicas sobre as mídias para alunos com DV. Assim, busca-se refletir sobre a percepção docedente que retira ete aluno da sala de aula comum para desfrutar das TICs adaptadas à sua especificidade. Em dados coletados
em pesquisa qualitativa com 14 professores do Esnino Fundamental, apontaram as suas dificuldades para com a permanência de um aluno na sala de aula comum, isentando a ewscola de seu compromisso social. Verificou-se também sua exclusão da proposta curricular da ETI. A legislação nacional permite a flexibilidade da Educação  Especial, como modalidade de ensino da ETI, como inerente para o fomento da qualidade do ensino público.


Palavras-chave


Deficiência Visual. Multimeios. Escola de Tempo Integral.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Rosane de Albuquerque dos S. Cabeças Digitais: um motivo para revisões na prática docente. In: Cabeças digitais: o cotidiano na era da informação. Org.: Ana Maria Nicolaci-da-Costa. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo, Loyola, 2006.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Portugal: Edições 70, LDA. 2010.

BUENO, José Geraldo Silveira. Deficiência e Escolarização: novas perspectivas de análise. Org.: José Geraldo Silveira Bueno, Geovana Mendonça Lunardi Mendes, Roseli Albino dos Santos. Araraquara, SP: Junqueira&Marin; Brasília, DF: CAPES, 2008.

BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: CORDE, 1996.

_____. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

_____. CNE/CEB. Parecer nº 17/2001 -Aprovado em 3-7-2001. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. UF: DF – Relatores: Kuno Paulo Rhoden e Sylvia Figueiredo Gouvêa. 2001.

_____. MEC/SESP. Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: conselho escolar e o respeito e a valorização do saber e da cultura do estudante e da comunidade. Parte II: A escola da inclusão: Pedagogia da emancipação. Vol. 3. Brasília – DF- Novembro de 2004.

______. Resolução SE 7, de 18-1-2006. Dispõe sobre a organização e o

funcionamento da Escola de Tempo Integral. 2006a.

_____. MEC/SEESP. Experiências Educacionais Inclusivas: programa de educação inclusiva: direito à diversidade. Organizadora: Berenice Weissheimer Roth – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2006b.

_____. SEESP/CENP. Escola de Tempo Integral – Oficina Curricular de Informática Educacional Ciclos I e II. Coord.: GAMA, José Carlos B. – GAP/DTI/FDE; MATEUS, Natalina de Fátima – SEE/CENP; SILVA, Nely Aparecida P. – GAP/DTI/FDE; KUIN, Silene – GAP/DTI/FDE; GALLETTA, Silvia – GAP/DTI/FDE. São Paulo, 2008.

Disponível em: http://cenp.edunet.sp.gov.br/escola_integral/2007/arquivos/informaticaeducacionalciclo sIII.pdf . Acessado em 22/04/2008a.

_____. MEC. Decreto nº 6.571, de 17 de setembro de 2008. Dispõe sobre o atendimento educacional especializado, regulamenta o parágrafo único do art. 60 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e acrescenta dispositivo ao Decreto nº 6.253, de 13 de novembro de 2007. 2008b.

_______.MEC/SEESP. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Inclusão: revista da educação especial, v. 4, n 1, janeiro/junho 2008. Brasília: 2008c.

______. MEC/CNE/CEB. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. 2009.

_____. DOMINGUES, Celma dos Anjos; CARVALHO, Sílvia Helena Rodrigues; ARRUDA, Sonia Maria Chadi de Paula. Alunos com baixa visão. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial; Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010. v. 3. (Coleção:A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar).

BUENO, José Geraldo Siqueira. Função Social da Escola e Organização do

Trabalho Pedagógico. Revista Educar, Curitiba, nº17, p.101-110. Editora da UFPR. 2001.

_______, José Geraldo Silveira; MENDES, Geovana Mendonça Lunardi; SANTOS, Roseli Albino dos Santos (orgs). Deficiência e escolarização: novas perspectivas de análise. Araraquara,SP: Junqueira &Marin, 2008.

COX, KeniaKodel. Informática na Educação Escolar. 2.ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

FREITAS, Maria Teresa A. A internet na escola: desafios para a formação de professores. In: NICOLACI, Ana Maria-C. Cabeças Digitais: o cotidiano na era da informação. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo, Loyola, 2006.

FERRONI, Marília Costa Câmara; Gasparetto, Maria Elisabete Rodrigues Freire. Escolares com baixa visão: percepção sobre as dificuldades visuais, opinião sobre as relações com comunidade escolar e o uso de recursos de tecnologia assistida nas atividades cotidianas. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v.18, n.2, p. 301-318, Abr.-Jun., 2012

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1988.

MAMEDE. Maria Apparecida Campos-Neves. O jovem no centro da dimensão oculta da internet. In: NICOLACI, Ana Maria-C. Cabeças Digitais: o cotidiano na era da informação. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo, Loyola, 2006.

MANZINI, Eduardo José; MONTEIRO, Ana Paula H.Mudanças nas concepções do professor do ensino fundamental em relação à inclusão após a entrada de alunos com deficiência em sua classe. In: Revista Brasileira de Educação Especial. Marília, v.14, n.1, p. 35-52, jan./abril 2008.

MOREIRA, Cristiano; CRUZ, Dulce Márcia. As narrativas dos jogos eletrônicos e suas possibilidades educacionais. In: LATERMAN, Ilana; CARVALHO, Diana C.; GUIMARÃES, Leandro B.; BORTOLOTTO, Nelita; (orgs.) Experiências Pedagógicas com o ensino e formação docente: desafios contemporâneos. Araraquara: SP: Junqueira&Marin, 2009. (p. 35-50)

PIRES, José. A questão ética frente às diferenças: uma perspectiva da pessoa como valor. In: MARTINS, Lúcia A. R.; PIRES, José; PIRES, Gláucia N. L.; MELO, Francisco Ricardo L. V. (orgs.). In: Inclusão: compartilhando saberes. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2008. p.78-94.

MARTÍN, Manuel B.; RAMIREZ, Francisco R. Visão subnormal. In: MARTÍN, Manuel B.; BUENO, Salvador Toro. (orgs.) Deficiência visual: aspectos psicoevolutivos e educativos. São Paulo: Livraria Santos Editora, 2003. p. 27-44.

ROPOLI, E.A.Edilene Aparecida Ropoli [et.al.]. - Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. A escola comum inclusiva. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010. v. 1. (Coleção: A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar).

SANTOS, M.T.C.T.. O projeto político-pedagógico, autonomia e gestão democrática. In: ROPOLI, A.E. et al. In: A educação especial na perspectiva da educação inclusiva. - Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial; [Fortaleza] : Universidade Federal do Ceará, 2010.v. 1. (Coleção A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar)

SILVA, Ynaray Joana & TORRIELLO, Luciano Biaggio. Rádio e educação – um diálogo possível. In: CHIAPPINI, Lígia & CITELLI, Adilson (orgs). In: Aprender e ensinar com textos não escolares. São Paulo, Cortez. 1997.

TAVARES, Fabiany de Cássia. Estudo comparado das perspectivas conceituais das salas de recursos e de apoio: evoluções e tendências. UFMS/PUC-SP. In: Anais: 26ª Reunião ANPED. GTnº 15. Educação Especial. 2004.

TRIÑANES, Maria Terêsa R. Nós sem nós: alunos com deficiência visual na escola de tempo integral. 2009. 149fl. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós- Graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Campinas, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.