Qualidade de vida em ácientes com osteoporose

Camila Stefani Estancial Fernandes, Simone Damião Ricci

Resumo


A osteoporose é uma doença que afeta os ossos de uma maneira geral, causando perda da massa óssea, ou seja, leva a um desgaste dos ossos e
redução da quantidade de cálcio no interior do mesmo. Esta é uma doença lenta que afeta mais comumente as mulheres, podendo ocorrer em homens, ou associadas a outras doenças em uma idade mais precoce. Além das fraturas e fragilidade dos ossos, ela também causa o encolhimento das vértebras, redução de estatura, ossos doloridos e costas corcundas. O objetivo deste trabalho consiste em caracterizar o perfil dos entrevistados, verificar quais são os medicamentos mais utilizados para o tratamento da osteoporose, bem como compreender como esta doença pode afetar a qualidade de vida dos portadores da osteoporose. A primeira parte do trabalho foi realizada em drogarias da cidade de Mogi Guaçu, SP, em que se verificou que a medicação mais utilizada pelos entrevistados é a vitamina D3 e, ainda, orisedronato sódico é o medicamento mais utilizado. Na segunda parte da pesquisa, foi aplicado um questionário, no qual avaliou as condições gerais de saúde, como também a qualidade de vida dos indivíduos entrevistados. Participaram no estudo 22 (44%) mulheres e 28 homens (56%), com idade média de 71 ± 7,5 anos e 75 ± 7,4 anos, respectivamente. Observamos em relação à osteoporose que 23 homens (82,1%) e 13 mulheres (59,1%) confirmaram possuir a doença. Entre as mulheres e homens sem osteoporose e com osteoporose, verificamos que a doença nos homens possui maior influência em relação à qualidade de vida, principalmente no que diz respeito à capacidade funcional, dor, aspectos sociais e saúde mental. Neste sentido, esse grupo de pacientes deve ser priorizado nas intervenções em saúde, visto que apresenta maiores riscos de sofrimento e aceitação da doença.


Palavras-chave


Osteoporose. Ossos. Doenças. Qualidade de Vida.

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, A. C.; OLIVEIRA, L. C.; WAGNER, R. Dosagem Sérica de Cálcio em idosos de Instituições de Amparo. Cadernos da Escola de Saúde, Curitiba, v.1, n. 4. 2009. Disponívelhttp://apps.unibrasil.com.br/revista/index.php/saude/article/viewFile/493/414>. Acesso em 10 de jan de 2012.

BUENO, A. L.; CZEPIELEWSKI, M. A. A importância do consumo dietético de cálcio e vitamina D no crescimento.Jornal de Pediatria. Rio de Janeiro, v.84, n.5, set/out. 2008.

Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0021-75572008000600003&script=sci_arttext&tlng=es>. Acesso em 12 de jan de 2012.

CARVALHO, D. C. L. et al. Tratamentos não farmacológicos na estimulação da osteogênese. Revista de Saúde Pública. v. 36, n.5. 2002. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rsp/v36n5/13157.pdf>. Acesso em 13 de jan de 2012.

CICONELLI RM, et al. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). RevBrasReumatol.1999. p.143-50.

CORDEIRO, B. C. Qualidade de Vida e Qualidade de Vida Relacionada à Saúde (HRQOL). In: CORDEIRO, B.C.; LEITE, S. N. O Farmacêutico na atenção à Saúde. 2. ed. Itajaí: Universidade do Vale do Itajaí, 2008. p. 251-261.

FORTES, E. M. et al. Elevada Morbimortalidade e Reduzida Taxa de Diagnostico de steoporose em Idosos com Fratura de Femur Proximal na Cidade de São Paulo. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia. São Paulo, v.52, n.7. Disponível em

http://www.scielo.br/pdf/abem/v52n7/06.pdf>. Acesso em 10 de jan de 2012.

FUCHS, F. D.; WANNMACHER, L. Farmacologia Clínica. Fundamentos da Terapêutica Racional.2.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998. p. 200-210.

JUNQUEIRA, P. A. A. Utilização de recursos e custos em Osteoporose Revista da Associação Médica Brasileira. São Paulo, v.47, n.4, out/dez. 2001. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-42302001000400027&script=sci_arttext&tlng=pt>. Acesso em 01 de jan de 2012.

LANZILLOTTI, H.S.,et al . Osteoporose em mulheres na pós-menopausa, cálcio dietético e outros fatores de risco. Rev. Nutr., Campinas , v. 16, n. 2, p. 181-193, jun 2003 .

LEITÃO, M. B. et al. Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: atividade física e saúde na mulher.Revista Brasileira de Medicina do Esporte.Niterói, v.6, n.6, nov./dez. 2000. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517- 86922000000600001&script=sci_arttext>. Acesso em 01 de jan de 2012.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília, 2002.

Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nac_prom_saude.pdf>. Acesso em 10 de jan de 2012.

RUIPÉREZ, I.; LLORENTE, P. Geriatria. Rio de Janeiro: Mcgrawhill, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.