Uso abusivo de anabolizantes e suplementos por praticantes de musculaçaõ em academias da cidade de Mogi Guaçu - SP

Fabrício de Faveri Favero, Vanessa Aparecida Rodrigues Simões

Resumo


Os esteroides anabólicos androgênicos (EAA) são substâncias sintetizadas a partir da testosterona e são usados na medicina há pelo menos cinco décadas no tratamento de doenças, onde há um balanço proteico negativo. Atuam como reguladores da massa muscular, modulando a síntese proteica e são utilizados por indivíduos que tentam melhorar a performance atlética e/ou a
aparência. Devido ao uso abusivo desses produtossem prescrição médica, esse trabalho avaliou o consumo e o comportamento de 24usuários de suplementos e/ou esteroides anabólicos androgênicos, praticantes de musculação em duas academias da cidade de Mogi-Guaçu-SP. Um questionário sem identificação foi elaborado para que os participantes pudessem responder de modo voluntário e foi depositado em urnas lacradas, que estiveram disponíveis por um mês em cada uma das academias. Foi possível demonstrar que os homens solteiros e caucasianos representaram o maior grupo de usuários de anabolizantes com finalidade de melhora da estética (66,66%). Dentre os voluntários, 33,34%relataram que o uso se dá com finalidade de promoção de saúde na tentativa de justificar o consumo e 29,16%relataram buscar saúde e estética concomitantemente. Os praticantes de musculação parecem ser os principais consumidores de anabolizantes, além do que, nesse questionamento, menos da metade dos avaliados responderam sobre a origem dos produtos adquiridos. Os suplementos mais procurados foram os produtos contendo aminoácidos e proteínas, muitas vezes utilizados juntamente com os anabolizantes. O Wheyprotein (proteína do soro do leite) foi o suplemento de maior consumo.

 


Palavras-chave


Esteroides. Academia. Estética. Suplemento.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHIN, O. S. C. et al. Prevalência do Uso e Conhecimento de Esteroides Anabolizantes Androgênicos por Estudantes e Professores de Educação Física que Atuam em Academias de Ginástica. Revista Brasileira Medicina Esportiva.v. 19, n 1 – Jan/Fev, 2013.

ARAÚJO, L. R.; ANDREOLO, J.; SILVA, M. S. Utilização de suplemento alimentar e anabolizante por praticantes de musculação nas academias de Goiânia-GO. Revista Brasileira Ciência e Mov. Brasília - v.10 n. 3 p. Julho 2002.

BARQUILHA, G. Uma análise de incidência de efeitos colaterais em usuários de esteroides anabolizantes por praticantes de musculação da cidade de Bauru. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.3, n.14, p.146-153. Mar/Abr 2009.

BOFF, S. R. Efeitos colaterais dos esteróides anabolizantes sintéticos. Rev. Bras. Ci. e Mov. 2008;16(1): 123-127.

CARMO, E.C. A Associação de Esteroide Anabolizante ao Treinamento Físico Aeróbio Leva a Alterações Morfológicas Cardíacas e Perda de FunçãoVentricular em Ratos. RevBrasMed Esporte – Vol. 17, No 2 – Mar/Abr, 2011.

CORONA, J.; QUARESMA, F. Saúde em Jogo. Editora Senac. 2012. 486p.

DIEHL, 2010. In: DIEHL, A.; CORDEIRO, D. C.; LARANJEIRA, R. Tratamentos Farmacológicos para dependência química – Da evidência científica à prática clínica. Ed. Artmed. 2010. 396p.

IRIART, J. A. B., ANDRADE, T. M. Musculação, uso de esteróides anabolizantes e percepção de risco entre jovens fisiculturistas de um bairro popular de Salvador, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. Set/Out, 2002.

IRIART, J. A. B.; CHAVES, J. C., ORLEANS, R. G. Culto ao corpo e uso de

anabolizantes entre praticantes de musculação. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. Abril, 2009.

MACHADO, A. G.; RIBEIRO, P. C. P.; Anabolizante e seus riscos. Artigo Original – v. 1, n 4 – Dezembro 2004.

RANG HP; DALE M.M.; RITTER J.M.; MOORE P.K. Farmacologia.5ª edição.

Elsevier Editora Ltda. 2003. 904p.

ROCHA, F. L.; ROQUE, F. R. OLIVEIRA, E. M.. Esteróides anabolizantes:

mecanismos de ação e efeitos sobre o sistema cardiovascular. O MUNDO DA SAÚDE. São Paulo: 2007: Out/Dez 31(4):470-477.

SILVA, L .S. M. F.; MOREAU, R. L. M. Uso de esteróides anabólicos androgênicos por praticantes de musculação de grandes academias da cidade de São Paulo. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. v. 39, n. 3, Jul./Set., 2003.

SILVA, P. R. P.; DANIELSKI, R.; CZEPIELEWSKI, M. A. Esteróides anabolizantes no esporte. Revista Brasileira Medicina Esportiva. v. 8, n 6 – Nov/Dez, 2002.

SILVA-JÚNIOR, S. R. A. Morbidade hospitalar por ingestão de esteroides anabólicosandrogênicos (EAA) no Brasil. Revista Brasileira Medicina Esportiva – v. 19, n 2 – Mar/Abr, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.