O mito de Orestes em Ésquilo, Racine e Sartre

Lidiane Ferreira, Guacira Machado Leite

Resumo


A pesquisa tem como objetivo apresentar a trajetória do herói grego, Orestes, suas transformações e diferentes representações durante a história da literatura. Itinerário este, que se inicia na Antiguidade, com a trilogia A Orestia, de 458 a.C, composta pelas obras Agamémnon,Coéforas e Eumênides do autor trágico grego, Ésquilo. Passa no ano de 1667 pela obra Andromaque de Jean Racine - que mesmo regido pela doutrina clássica, dá aos personagens uma força inovadora que inspira as peças racinianas- e se encerra com uma nova interpretação à luz da filosofia existencialista, com a obra As Moscas do filósofo francês Jean-Paul Sartre no século XX.

 


Palavras-chave


Orestes; mito; Racine; Sartre; Ésquilo

Texto completo:

PDF

Referências


ALBOUY, Pierre. Mythes et mythologies dans la littérature française/ Collection U². 2 ed. Librairie Armand Colin, 1969.

ARISTÓTELES. Poética. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

BARTHES, Roland. Sur Racine. Paris: Editions du Seuil, 1963.

BENTLEY, Eric. De Strindberg a Jean-Paul Sartre. In:______. O dramaturgo como pensador: Um Estudo da Dramaturgia nos Tempos Modernos. Tradução de Ana Zelma Campos. e.2. Rio de Janeiro – Brasil, Civilização Brasileira, 1991.

BERRETTINI, Célia. O teatro ontem e hoje. São Paulo: Perspectiva, 1980.

CAIRUS, Henrique. O lugar dos clássicos hoje: o supercânone e seus desdobramentos no Brasil.In:VIEIRA, Brunno V. G.; THAMOS, Márcio. (orgs.). Permanência Clássica: visões contemporâneas da antiguidade greco-romana. São Paulo: Escrituras Editora, 2011. (Coleção ensaios transversais).

CASSIER, Ernst. Linguagem e mito [Direitos para a língua portuguesa reservados à Editora Perspectiva S.A.] – São Paulo, 1972.

ÉSQUILO. Agamemnon. Estudo e tradução Jaa Torrano – São Paulo: Iluminuras FAPESP, 2004 – (Coleção Dionisias) (Orestéia:1).

______. Coéforas. Estudo e tradução Jaa Torrano – São Paulo: Iluminuras FAPESP, 2004 – (Coleção Dionisias) (Orestéia:2).

______. Eumênides. Estudo e tradução Jaa Torrano – São Paulo: Iluminuras FAPESP, 2004 – (Coleção Dionisias) (Orestéia:3).

FESTUGIÈRE, A.J.. De l’essence de la Tragédie Grecque – Paris : Editions Aubier- Montaigne, 1969.

FINLEY, M.I. (org.). O teatro. In:______. O legado da Grécia: uma nova avaliação. Tradução de Yvette V. P. Almeida. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998. 524p

JAEGER, Werner W. Lugar dos Gregos na história da educação. In:______Paidéia: a formação do Homem grego. Tradução de Artur M. Parreira. 5º ed. – São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 03 – 23

______. O drama de Ésquilo. In:______Paidéia: a formação do Homem grego. Tradução de Artur M. Parreira. 5º ed. – São Paulo: Martins Fontes, 2011. p.283 -314

LABOURET, Denis. Littérature française du XXe siècle. Paris, Armand Colin, 2013.

LAGARDE, André – XVIIe Siècle: Les Grands Auteurs Français du Programme III – Collection Textes et Littérature, 1964 - Bordas.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Mito e Significado. Edições 70, Lisboa - Portugal, 2000

LLOYD JONES, H; M. F. GALIANO; F. R. ADRADOS; A. TOVAR. Estudios sobre La tragedia griega. Cuadernos de La Fondación Pastor, n° 6. Madrid: Taurus, 1966. Tradução: Edvanda Bonavina da Rosa – UNESP/ Araraquara, 2009.

MACHADO, G. M.; DOMINGOS, N. Andromaque, de Jean Racine: duas leituras. Itinerários, Araraquara, n. 34, p.59-71, jan./jun. 2012.

MAMET, David. Três usos da faca: sobre a natureza e a finalidade do drama. Trad. Paulo Reis. - Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

MORETTO, Fulvia M. L. O teatro clássico francês: a tragédia. In:___________.; Barbosa, Sidney(Org.).Aspectos do teatro ocidental. Editora UNESP, 2006. p.50-67

PRADO, D.A. A personagem no teatro. In: CANDIDO, A. et al. (Ed.). A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 1992.

RACINE, J. Andromaque. Paris: Larousse, 1959.

ROSENFELD, A. Literatura e personagem. In: CANDIDO, A. et al. (Ed.). A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 1992.

SARTRE, Jean Paul – Esboço para uma teoria das emoções/ Jean Paul Sartre; tradução de Paulo Neves – Porto Alegre: L&PM, 2008.

______. Huis clos suivi et Les mouches. Éditions Gallimard. – Paris, 1947.

______.O existencialismo é um humanismo; A imaginação; Questão de método/ Jean-Paul Sartre; seleção de textos de José Américo Motta Pessanha; Traduções de Rita Correia Guedes, Luiz Roberto Salinas Fortes, Bento Prado Júnior. – São Paulo: Abril Cultural, 1984.

______. Que é a literatura ? – Gallimard, Paris, 1948.Tradução de Carlos Felipe Moisés. 3º ed. Editora Ática – São Paulo, 1999.

SEGALL, Jenny Klabin. – Racine – Andrômaca - Britânico. v.II, Livraria Martins Editora, São Paulo- Brasil, 1963.

SILVA, Franklin Leopoldo e. Ética e literatura em Sartre: ensaios introdutórios – São Paulo: Editora UNESP, 2004.

SOARES, Caio Caramico. Sartre e o pensamento mítico - revelação arquetípica da liberdade em 'As Moscas'. 2006. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2015.

SOUSA-AGUIAR, Maria A. Teatro ideológico: Sartre. In: MORTARA, Marcella (Org.). Teatro Francês do século XX. Rio de Janeiro. Editora do Livro, 1970.

TAPLIN, Oliver. Fogo Grego. 1ª ed. RTC/Gradiva: 1990.

SZONDI, P. Teoria do drama moderno. Tradução de Luiz Sérgio Repa. São Paulo: Cosac & Naify, 2001.

TELES, Antônio Xavier. Introdução ao estudo da filosofia/ Antônio Xavier Teles – 23. Ed. – São Paulo: Ática, 1985.

TIEGHEM, Philippe van. Les Grandes Doctrines Littéraires en France: de la Pléiade au Surréalisme – 1963, Presses Universitaires de France, Paris.

TORRANO, Jaa. Ésquilo, 525-455 a.C. Agamemnon /Ésquilo/ estudo e tradução Jaa Torrano – São Paulo: Iluminuras FAPESP, 2004 – (Coleção Dionisias) (Orestéia :1).

______. Ésquilo, 525-455 a.C. Coéforas/Ésquilo/ estudo e tradução Jaa Torrano – São Paulo: Iluminuras FAPESP, 2004 – (Coleção Dionisias) (Orestéia :2).

______. Ésquilo, 525-455 a.C. Eumênides /Ésquilo/ estudo e tradução Jaa Torrano – São Paulo: Iluminuras FAPESP, 2004 – (Coleção Dionisias) (Orestéia :3).

VALADAS, Nuno – As Moscas. Editorial Presença – Lisboa, 1962.

VERNANT, Jean-Pierre. Mito e Religião na Grécia Antiga. Tradição de Constança Marcondes Cesar. - Campinas, SP: Papirus, 1992.

______. Mito e Tragédia I – 1. O Momento Histórico da Tragédia na Grécia: Algumas Condições Sociais e Psicológicas. In: VERNANT, Jean-Pierre; VIDAL-NAQUET, P. Mito e tragédia na Grécia Antiga. São Paulo: Perspectiva, 2014. - (Estudos;163/ dirigida por J. Guinsburg)

______. Mito e Tragédia II – 4. O Sujeito Trágico: Historicidade e Transistoricidade. In:Jean-Pierre; VIDAL-NAQUET, P. Mito e tragédia na Grécia Antiga. São Paulo: Perspectiva, 2014. - (Estudos;163/ dirigida por J. Guinsburg)

VEYNE, Paul. Acreditaram os gregos nos seus mitos?. Trad. Antônio Gonçalves, Edições 70, Lisboa – Portugal, 1987

VIDAL-NAQUET, P. Mito e Religião II - 5. Ésquilo, o passado e o presente. In: Jean-Pierre; VIDAL-NAQUET, P. Mito e tragédia na Grécia Antiga. São Paulo: Perspectiva, 2014. - (Estudos;163/ dirigida por J. Guinsburg)


Apontamentos

  • Não há apontamentos.