AVALIAÇÃO DA FARMACOTERAPIA DOS PACIENTES ATENDIDOS NA FARMÁCIA DE PSICOTRÓPICOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAUDE (SUS) DE MOGI GUAÇU

Silvana Zaneti da Silva, Camila Stefani Estancial Fernandes, Danyelle Crisitne Marini

Resumo


Atualmente a população brasileira e mundial sofre com sentimento de tristeza e autodesvalorização, que pode ser diagnosticado como depressão. Esse fato contribui para o aumento da procura por antidepressivos, gerando várias interações medicamentosas, o que pode ocasionar um problema de saúde pública. Diante do tema exposto, o presente trabalho tem como objetivo verificar as prescrições dos pacientes que retiram seus medicamentos antidepressivos na Farmácia de Psicotrópicos no SUS, localizada no centro da cidade de Mogi Guaçu-SP. Trata-se de uma pesquisa descritiva que avaliou os antidepressivos mais prescritos no Sistema Único de Saúde e analisou as possíveis interações medicamentosas que podem ocorrer com o uso destes fármacos. As classes de antidepressivos estudados foram: atípicos, tricíclicos, inibidores da recaptação seletiva da serotonina e inibidores da monoamina oxidase. Os medicamentos da classe dos inibidores da monoamina oxidase não são dispensados na cidade por causa da prevalência. Da classe dos atípicos somente o cloridrato de bupropiona é dispensado, mas somente para tratamento de tabagismo. O sexo feminino foi o que teve mais prescrições destes medicamentos, a faixa etária prevalente neste sexo foi dos 30 anos. A classe de medicamentos mais dispensada é a dos inibidores da recaptação de serotonina, que são medicamentos seletivos, sendo o medicamento mais dispensado o cloridrato de sertralina e o cloridrato de fluoxetina. Conclui-se que a maioria dos pacientes que retiram antidepressivos são mulheres e verificou a presença de diversas interações medicamentosas, as quais devem ser analisadas pelo farmacêutico antes de realizar a dispensação.


Palavras-chave


Depressão. Interações Medicamentosas. Antidepressivos

Texto completo:

PDF

Referências


ANGONESI, D.; SEVALHO, G. Atenção Farmacêutica: fundamentação conceitual e crítica para um modelo brasileiro. Ciencia & Saúde Coletiva, Belo Horizonte, v. 2; n.1 p.3603-3614, 2010.

BERNARDES, S S; A TURINI, C; MATSUO, T. Perfil das tentativas de suicídio por sobredose intencional de medicamentos atendida por um Centro de Controle de Intoxicações do Paraná, Brasil. Caderno de Saúde, Rio de Janeiro, v. 7, n. 26, p.1366-1372. Disponível em: . Acesso em: 05 nov.2016.

CARVALHO, F. Avaliação econômica do impacto da Atenção Farmacêutica na assistência à saúde: aspectos metodológicos. 2007. Curso de Medicina, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2007. Disponível em: . Acesso em: 29 dez. 2015.

CASTRO, F. Mapa Global da Depressão. 2011. Disponível em: <33 http://agencia.fapesp.br/mapa_global_da_depressao/>. Acesso em: 22 jan. 2015.

CUNHA, R. et al. Agentes Externos Influenciam o Comportamento Mecânico dos Compósitos Poliméricos. Holos, Rio Grande do Norte, v. 5, n. 26, p.16-22, jan. 2010. Anual. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2015.

CUNHA, R.; BASTOS, G.; DUCA, G. Prevalência de depressão e fatores associados em comunidade de baixa renda de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 15, n. 2, jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2015.

FLECK, M. et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 34, n. 2, p.1-1, abr. 2000. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2015.

GOLAN, D. Princípios de farmacologia: a base fisiopatológica da farmacoterapia. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.

HICH; D. Avaliação das notificações de antidepressivos prescritos em uma drogaria em Erechim-RS. Perspectiva. Erechim, p. 56-61. Não é um mês valido! 2013. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2016.

LIMA, M S de. Epidemiologia e impacto social. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 21, n. 1, p.1-2, maio 1999. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2016.

MACHUCA, M.; FERNÁNDEZ-LLIMÓS, F.; FAUS, M. J.. Método Dáder: Manual de acompanhamento farmacoterapêutico.; 2016. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2015.

MARQUES, L. Atenção farmacêutica nos transtornos de humor. São Paulo: Pharmabooks, 2013. 250 p.

MELO, D.; STORPIRTIS, S.; RIBEIRO, E. A importância e a história dos estudos de utilização de medicamentos. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, São Paulo, v. 4, n. 10/12, p.476-480, out. 2006. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2015.

MORENO, R.; MORENO, D.; SOARES, M. Psicofarmacologia de antidepressivos. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 21, maio 1999. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2015.

NOVAES, E. SUS-Sistema Único de Saúde. 2,2016 Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2015

OLIVEIRA, J. Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente. v.1, n,12013. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2015.

OLIVEIRA, I. Antipsicoticosatipicos: farmacologia e uso clinico. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 22, n.1; maio 2000. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2015.

PORTO, J. Conceito e diagnóstico. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 21; n.1; maio 1999. Disponível em: <32 http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-44461999000500003&script=sci_arttext>. Acesso em: 22 dez. 2015.

SAUDE, Ministério da (Org.). Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: MS, 2012. 114 p. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2016.

SOUZA, F. Tratamento de depressão. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 21n.1;1999. Disponívelem:. Acesso em: 12 dez. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.