O TEATRO DO OPRIMIDO COMO EDUCAÇÃO SOCIAL

Marcelo Rocha Campos, Sidinei Araujo Lemes

Resumo


O artigo pretende levantar uma discussão sobre como o Teatro do Oprimido pode ser utilizado como educação social. Para tanto, revisamos a história da criação do Teatro do Oprimido e avaliamos como se dá a sua execução prática. A ideia de educação social e a educação não-formal como meio de ensino também é destacada e, por fim, tentamos demonstrar como o Teatro do Oprimido pode ser
utilizado enquanto ferramenta para a educação.


Palavras-chave


Teatro do Oprimido; Educação social; Educação não-formal; Augusto Boal.

Texto completo:

PDF

Referências


BOAL, Augusto. Jogos para atores e não atores. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

_____, Augusto. A estética do oprimido. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

CANDA, Cilene N. Paulo Freire e Augusto Boal: Diálogos entre educação e teatro. In: Holos, ano 28, vol. 4; 2012, p. 195-205. In:

http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/setembro2012/arte_artigos/dialogos_entre_educacao_e_teatro.pdf acessado em 23/12/2015

DESGRANGES, Flávio. A pedagogia do teatro: provocação e dialogismo. São Paulo: Hucitec, 2006.

GARCIA, Valéria Aroeira. A educação não-formal no âmbito do poder público: avanços e limites. In: SIMSON, Olga Rodrigues de Moraes Von; PARK, Margareth Brandini; Fernandes, Renata Sieiro (orgs.). Educação não formal: Cenários da criação. Campinas: Editora da Unicamp/Centro de Memória, 2001.

______, Valéria Aroeira. O papel da educação não-formal nas discussões e ações educacionais. São Paulo: USP, 2008. (Trabalho apresentado no II Congresso Internacional de Pedagogia Social)

______, Valéria Aroeira. A educação não-formal como acontecimento. Campinas, SP: [s.n.], 2009.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal, educador(a) social e projeto sociais de inclusão social.Revista Meta: Avaliação, Rio de Janeiro, V. 1, n. 1, p.28-43, jan/abr., 2009. Disponível em:

. Acesso em: 31ago. 2016.

KHUN, Maria Lúcia Welter. Boal e o Teatro do Oprimido: O Espect- ator em cena na Educação Popular. Ijuí: UNIJUÍ, 2011.

MARTINS, Janaina Bilate. Arte engajada: considerações sobre o Teatro do Oprimido. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009.

PARREIRA, Lúcia Aparecida; JOSÉ FILHO, Pe. Mario. A educação não formal: desafios de uma prática pedagógica. Serviço social e Realidade, v.19, n.1, p. 241-268, 2010.

PERCASSI, Jadi. Arte, política e educação popular: diálogos necessários para a transformação social. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo: São Paulo, 2014.

SIMSON, Olga Rodrigues de Moraes Von; PARK, Margareth Brandini; FERNANDES, Renata Sieiro (orgs.). Educação não formal: Cenários da criação. Campinas: Editora da Unicamp/Centro de Memória, 2001.

SOUZA, Nilza Alves de.; PARK, Margareth Brandini.; FERNANDES, Renata Sieiro. Caminhos entre a prática e a reflexão: da angústia do pensar. In: SIMSON, O. R. de M.; PARK, M. B.; FERNANDES, R. S. (orgs). Educação não formal: cenários da criação. Campinas, SP: Editora Unicamp/ Centro de Memória, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.