PERFIL DE DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS LAXATIVOS EM FARMÁCIAS DO MUNICIPIO DE MOGI GUAÇU/SP

Taciara Salvalaio Ferreira, Danyelle Cristine Marini, Nádia Regina Borim Zuim

Resumo


A obstipação intestinal é um sintoma clínico no qual as fezes ficam endurecidas, causando dor nas evacuações, ocasionando menor frequência evacuatória. Esses sintomas clínicos acometem uma porcentagem da população que por esse motivo tem uma predisposição a utilizar os laxantes de forma abusiva, tanto os convencionais, fitoterápicos como os homeopáticos. A utilização de dietas ricas em fibras alimentares pode solucionar o problema de obstipação intestinal, no qual pode também diminuir o uso dos laxantes na forma abusiva. Vale ressaltar que os profissionais da saúde, na hora da dispensação não informam aos pacientes sobre os riscos à saúde que podem ocasionar no uso contínuo desse medicamento. O presente trabalho teve o objetivo de identificar os usuários de laxantes nas drogarias do Município de Mogi Guaçu, e analisar os critérios que utilizaram para escolha e os tipos de laxantes dispensados. De acordo com os resultados 34% apresentam obstipação, com maior freqüência na faixa etária de 51 a 69 anos. O laxante mais utilizado dentro da classe dos convencionais foi - o bisacodil; na classe dos fitoterápicos a Cascara Sagrada, o Fiber Mais® que é uma fibra natural e o Naturetti®. Já o laxante pertencente à classe dos homeopáticos o mais frequente foi o complexo 46®. Os laxantes utilizados foram indicados por balconistas com 32%. O papel do farmacêutico neste contexto é um dos fatores mais importantes, pois eles são capazes de aconselhar o paciente antes de iniciar um tratamento farmacológico dando orientações sobre os riscos à saúde do paciente.

Palavras-chave


Obstipação. Laxantes. Frequência evacuatória.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. et al. Assistência farmacêutica frente a obstrução intestinal no idoso. Infarma. Ribeirão Preto, v. 15, n. 9-10, p. 64-69, set/out. 2003. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2015.

BILLODRE, B.N. et al. Prevalência e motivação de uso de laxantes entre universitárias do curso de nutrição do centro universitário metodista de Porto Alegre. Ciência em movimento. Porto Alegre, v. 15, n. 03, p. 35-43. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2015.

COLLETE, V. L. et al. Prevalência e fatores associados aobstipação intestinal: um estudo de base populacional em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, 2007. Caderno de Saúde Pública.Rio de Janeiro, v. 26, n. 7, p. 1391-1402, jul. 2010. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2015.

FERREIRA, J. S. et al. Hábitos alimentares e ocorrência de obstipação intestinal em crianças de 3 a 6 anos de uma escola pública do município de Itaperuna – RJ. Revista Cientifica da FAMINAS. Muriaé, v. 9, n. 2, p. 69-84, mai/ago. 2013. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2015.

FERRO, D. Fitoterapia: Conceitos clínicos. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2008.

FONTES, O.L. et al. Farmácia homeopática: Teoria e prática. 3. ed. Barueri: Manole, 2009.

FUCHS, D. et al. Farmacologia Clínica: Fundamentos da Terapêutica Racional. 3. Ed. Rio de Janeiro: Koogan, 2006.

HARDMAN, J. G.; LIMBIRD, L. E. (Ed.), As Bases Farmacologicas da Terapêutica. 10. ed. Rio de Janeiro: Joel G. Hardman,2003.

LACERDA, F.V.et al. A ação das fibras alimentares na prevenção da obstipação intestinal: Urbanova. São José dos campos, v. 12, n. 244, p. 2466-2469, jan. 2006. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2015.

LÔBO, C. R. et al. Cáscara Sagrada (Rhamnuspurshiana): Uma Revisão de literatura. Revista de divulgação Cientifica Sena Aires.Brasilia, v. 2, n. 1, p. 171-178, dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2015.

LOPES, A. C. et al. Ingestão de fibras alimentares e tempo de transito colônico em paciente com obstipação funcional. Arquivos de Gastroenterologia. São Paulo, v.45, n.1, p. 58-63, mar. 2008. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2015.

MORAIS, M. B. Obstipação intestinal. Jornal de Pediatria. v. 76. n. 2. p. 147/156. 2000. Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2015.

PAGE, C. et al. Farmacologia Integrada.2. Ed. Bauru: Manole, 2004.

SCHMIDT, F.et al. Prevalência de obstipação intestinal autorreferida em adultos da população geral: Revista da escola de enfermagem. São Paulo, v. 49, n. 3, p. 443-452, out/mar. 2015. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2015.

SILVA, P. Farmacologia. 7. Ed. Rio de Janeiro: Koogan, 2006.

SOARES, C. et al. Facetas da prática da automedicação na cidade de Dourados – MS. Infarma. Dourados, v. 20, n. 7/8, p. 28-31, jan. 2008. Disponível em: . Acesso em 04 nov.2015.

SOUZA, D.P.et al. Levantamento dos fitoterápicos de maior comercialização em duas drogarias de Barra do Garças – MT e Uma de Aragarças – GO. Revista Eletrônica da Univar. Barra do Garças, v. 1, n. 8, p. 57-64, 2012. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2015.

TUROLLA, M. S. R.; NASCIMENTO, E. S. Informações toxicológicas de alguns fitoterápicos utilizados no Brasil. Revista brasileira de ciências farmacêuticas.São Paulo, v. 42, n. 2, p. 289-306, nov. 2005. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2015.

ZUQUELO, A.I. et al. Utilização de laxantes pela população do município de céu azul – PR. Infarma. Toledo, v. 20, n. 7/8, p. 44-48, jan. 2008. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.