A VIABILIDADE PRÁTICA DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA

André Alexandre Danielli, Danyelle Cristine Marini, Nádia Regina Borim Zuim

Resumo


O governo federal, bem como os órgãos que representam a categoria farmacêutica demonstram a necessidade de modificar o modo como é visto as farmácias e drogaria, essas devem extrapolar a simples concepção de um estabelecimento comercial para algum da saúde. A obrigatoriedade da presença dos farmacêuticos está garantida por lei, mas além disso a nova lei estipula a realização dos serviços farmacêuticos. Dentre os muitos serviços apropriados a estes estabelecimentos pode-se citar a atenção farmacêutica, que envolve a prestação de uma assistência individualizada voltada para a avaliação da terapia farmacológica, as reações adversas, uso racional de medicamentos, eficácia do tratamento e outros problemas relacionados a medicamentos. O presente estudo teve a finalidade de conhecer na prática atual das farmácias e drogarias como estabelecimentos de saúde, e também qual o papel desempenhado pelo profissional farmacêutico nesse contexto. A pesquisa foi realizada com 41 profissionais farmacêuticos, em 38 estabelecimentos nas cidades de Mogi Mirim-SP e Mogi Guaçu-SP, nos meses de fevereiro e março 2014. A mudança na formação do farmacêutico, ainda não surtiu efeito prático no saber desses profissionais sobre Atenção Farmacêutica, mas outros estudos mostram que o cliente hoje é muito exigente e pensa que as farmácias e drogarias deveriam prestar muitos serviços em seus estabelecimentos. Em virtude disso, o estímulo do empresariado com a finalidade de valorizar o profissional farmacêutico pode, num futuro próximo, preparar os estabelecimentos varejistas para serem efetivamente locais de prestação de serviços de saúde pública.

Palavras-chave


Viabilidade da Atenção Farmacêutica. Serviços de Saúde. Comércio varejista de medicamento. Graduação profissional farmacêutico

Texto completo:

PDF

Referências


ALMARSDÓTTIR, A. B.; BJÖRNSDÓTTIR, I.; TRAULSEN, J. M. Pharmacists in a liberalized system: results from a profession-wide survey in Iceland. International Journal of Pharmacy Practice, London, v. 10, p. 47-53, Mar. 2002.

ARANCÍBIA, A.; CID, E.; DOMECQUE, C.; PAULOS, C.; PEZZANI, M,; PINILLA, E.; ROJAS, M.; RUIZ, I.;VARGAS, M.. Fundamentos de Farmácia Clínica. Santiago, Chile: Piade/Universidad de Chile; 1993.372p..

CIPOLLE, R. J.; STRAND, L. M.; MORLEY, P. C. El ejercicio de la atención farmacêutica. Madrid,Espanha: McGraw Hill/ Interamericana; 2002. 352 p.

Pharmaceutical care practice. New York: Mc Graw Hill, 1998. 359 p.

____________El ejercicio de la atención farmacéutica. Madrid: McGraw-Hill - Interamericana, 2000.

Consenso Brasileiro de Atenção Farmacêutica. Proposta. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2002.

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA – CFF – Resolução 417, 418 29 Setembro 2004, e Resolução 431 17 Fevereiro 2005

Código de Ética da Profissão Farmacêutica. São Paulo, 2012.

DA SILVA, W. B A emergência da Atenção farmacêutica: um olhar epistemológico e contribuições para seu ensino. 2009. Disponível em: http://www.ufsc.br />. Acessado: em 22 Agosto 2013.

DUNLOP, J. A.; SHAW, J. P. Community pharmacist’s perspectives on pharmaceutical care implementation in New Zealand. Pharmacy World and Science, Dordrecht, v. 24, n. 6, p. 224-230, 2002

DUPIM, J. A. A..Assistência farmacêutica: um modelo de organização. Belo Horizonte: Segrac; 1999.

FARINA,S. S; ROMANO-LIEBER, N. S – Atenção Farmacêutica em Farmácias e Drogarias: existe um processo de mudança? 2009 http://www.revistas.usp.br/sausoc/article/viewFile/29507/31368 .> Acessado em 15/10/2014

GOMES, Romeu. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa Social (Org.). Teoria, Método e Criatividade, Petrópolis: Vozes. 2002.

GOUVEIA, W. A. At center stage: pharmacy in the next century.Am. J. Health-Syst. Pharm. Bethesda,1999.

HEPLER,C.D.STRAND,L.M. Opportunities and responsibilities in pharmaceutical care. Am. J. Hosp. Pharm. Bethesda. 1990.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. ed. Hucitec, São Paulo SP. 2004.

OLIVEIRA, C. P -Marketing de Varejo: Um estudo de caso na rede de drogarias Alterosa.2003 ttp://www.repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/123456789/759/2/20101106.pdf Acesso em 07/11/2014.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE – OMS. El papel del farmacéutica en la atención a la salud:declaración de Tókio. Genebra: OMS, 1993. 37 p.

ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE SAÚDE (OPAS). Consenso brasileiro de atenção farmacêutica: proposta. Brasília: OPAS; 2002a. 24p.

ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE SAÚDE (OPAS). Consenso brasileiro de atenção farmacêutica: proposta. Brasília: OPAS; 2002a. 24p.

REVISTA GUIA DA FARMÁCIA Ultima opção p. 84 a 68; Sexo forte p. 72 a 76 ANO XXI n° 255 Fevereiro de 2014.

______________37 milhões querem farmácia clínica no Brasil ANO XXI. n° 257 Abril de 2014 p 66 a 72

RIGO K.G.P; NISHIYAMA P. A evolução da farmacovigilânciano Brasi.l. Acta Sci Health Sci. 2005

SANTOS M. R. Do boticário ao bioquímico: as transformações ocorridas com a profissão farmacêutica no Brasil, 1993. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) FioCruz – Escola Nacional de Saúde Pública.Rio de Janeiro, 1993.

SILVA; L. R; VIEIRA, E. M. Conhecimento dos farmacêuticos sobre legislação sanitária e regulamentação da profissão. Revista Saúde Pública. São Paulo, v.38 n.3, p. 429-437. 2004

SITTA E.I; ARAKAWA A.M; CALDANA M.L; PERES S.H.C.S. A Contribuição de Estudos Transversais na Área da Linguagem com Enfoque em Afasia. Disponível em http:/www.scielo.br/> Acesso em 09 Março 2014.

SOARES, J.C.R.S. Reflexões sobre a eficácia dos medicamentos na biomedicina. Cad. Saúde Colet. v. 6, p. 37-53, 1998.

SOCIEDADE AMERICANA DE FARMACEUTICOS HOSPITALARES (ASPH) Guidelines: minimum standard for pharmacies in hospitals. AMJ health, systpharm 1995

SCHOSTACK, J. Atenção farmacêutica no uso seguro e racional do medicamento. P. 26Ed. Publicações Biomédicas Ltda, Rio de Janeiro, 2004.

SCHOMMER, J. C. et al. Community pharmacists’work activities in the United States during 2000. Journal of the American Pharmacists Association, Washington, DC, v. 42, p. 399-406, May/ June 2002

STORPIRTIS, S.; RIBEIRO, E; MARCOLONGO, R. Farmácia Clínica e Atenção Farmacêutica. Ed. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro, 2008.

_____________Novas diretrizes para a assistência farmacêutica hospitalar: atenção farmacêutica/ farmácia clínica. In: GOMES, M. J. V. M.; REIS, A. M. M. (Org.)Ciências Farmacêuticas – uma abordagem em farmácia hospitalar. São Paulo: Atheneu, 2001. Cap. 29,p. 521-533.

STORPIRTIS, S.S. Ciências farmacêuticas: Farmácia clínica e atenção farmacêutica. 1 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 2008. p. 323.

VALLADÃO, M. L. F. et al. Os (dês) Caminhos do ensino de farmácia no Brasil. Ver Farma Bioq UFMG. Belo Horizonte, v. 7. p. 63-74, 1986.

ZUBILOLI, A. Ética Farmacêutica. Ed. Sobravime. São Paulo, 2004.

WHO.WORLD HEALTH ORGANIZATION. THE ROLE OF THE PHARMACIST IN THE HEALTH CARE SYSTEM: PREPARING THE FUTURE PHARMACIST. VANCOUVER: WHO, 1997.51P.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.