ANALISE DO MEIO FÍSICO DO MUNICÍPIO DE MOGI GUAÇU-SP

Antoniane Arantes de Oliveira Roque, Robert Rilson Carlos

Resumo


O crescimento desordenado da área urbanizada de todo município, traz impactos cada vez maiores ao erário público, trazendo ainda impactos ao ambiente, devido à infraestrutura não dimensionada para esta ocupação rápida. Conhecer onde este crescimento ocorre torna-se imperativo para a tomada rápida de decisão por parte do gestor público. O presente trabalho apresenta o crescimento do meio urbano do município de Mogi Guaçu- SP, mapeando sua evolução temporal (ano de 1991, 2001 e 2015), utilizando como metodologia a vetorização em imagens dos satélites Landsat 5, 7 e 8, imagens da órbita/ponto 219/76, sensores TM, ETM+ e OLI, numa escala de 1:40.000, sendo classificadas a partir da interpretação visual, com a delimitação manual da mancha urbana da cidade, através de edições vetoriais no programa QGIS 2.10.1. Verificou-se um crescimento da área urbana de Mogi Guaçu, nos últimos 24 anos, de 61,4%, estando atualmente com 43,86 km², sendo este crescimento ocorrido de maneira horizontal, pois a densidade demográfica da área urbana vem diminuindo. Constatou-se que o crescimento se deu pela implantação de indústrias de grande e médio porte na localidade, com um crescimento e formação de diversos bairros no entorno de suas principais rodovias de escoamento de produtos industrializados. Esse crescimento, portanto, foi mais intenso nos últimos anos, sendo de 31,09% entre os anos de 2001 e 2015, contra os 23,11% ocorrido entre os anos de 1991 e 2001.

Palavras-chave


Mancha urbana. Vetorização. Imagens de Satélite.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 12267: Normas para elaboração de plano diretor. Abril 1992.

CÂMARA, G.; QUEIROZ, G. R. Arquitetura de sistemas de informação geográfica. In: CÂMARA, G., MONTEIRO, A. M.; MEDEIROS, J. S. (editores). Introdução à Ciência da Geoinformação. São José dos Campos: INPE, 2004.

CARNEIRO, A. F. T. PAULINO, L. A. Base de dados para Sistema de Informações Geográficas. In: Congresso Brasileiro de Cadastro Técnico Multifinalitário. UFSC. Florianópolis: 1998.

CARTAXO, J. A cidade fatual. Fortaleza. In: Imprensa Universitária, 2000.

CORDOVEZ, J. C. G. Geoprocessamento como Ferramenta de Gestão Urbana. In: Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto, l, 2012, Aracaju. Sergipe, 2012. Disponível em: . Acesso em: 28/10/2015.

FRANCISCO NETO. C. V. Controle das políticas públicas de ordenamento urbano através das ações coletivas. 2012. Disponível em:. Acesso em: 04 mar. 2015.

IBGE. Informações Estatísticas 2015. São Paulo, 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 mai. 2015.

IBGE. Cidades. São Paulo, 2015. Disponível em: . Acesso em: 23/10/2015.

JACINTHO, L. R. de C. Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto como ferramentas a gestão ambiental de unidades de conservação: O caso da área de proteção ambiental (APA) do Capivari-Monos, São Paulo-SP. 2003. 121 p. Dissertação (Mestrado em Recursos Minerais e Hidrologia) – Instituto de Geociências-USP. São Paulo, 2003.

LOCH, R. E. N. Cartografia: representação, comunicação e visualização de dados espaciais. Florianópolis, SC: EFSC, 2006.

PREFEITURA de Mogi Guaçu (SP). Plano diretor da Prefeitura de Mogi Guaçu, 2014. Disponível em: . Acesso em: 25 mai. 2015.

ROQUE, A. A. O. et al. Uso de sistemas de informação geográficas no gerenciamento de políticas públicas: o projeto LUPA em SP. In: 2º Simpósio de Geotecnologias no Pantanal – Embrapa Informática Agropecuária/INPE. Corumbá, 2009.

SABOYA, R. Concepção de um sistema de suporte à elaboração de planos diretores participativos. In: Tese de Doutorado apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil – Universidade Federal de Santa Catarina. 2007.

SOUZA, L. N. Diagnóstico do meio físico como contribuição ao ordenamento territorial do município de Mariana – MG. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Ouro Preto, 2004.

USGS Science for a changing world. Download de imagens orbitais. Disponível em: http://earthexplorer.usgs.gov/. Acesso em: 05/10/2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.