AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM OSTEOPOROSE NO MUNICÍPIO DE AGUAÍ-SP

Ranata Pierbon Pinto Bandança, Danyelle Cristine Marini, Nádia Regina Borim Zuim

Resumo


A osteoporose é uma doença que se caracteriza pela diminuição da massa óssea e deterioração da estrutura do tecido ósseo e com isso há um aumento da probabilidade de fraturas. Nos homens o sedentarismo, uso do tabaco e diabetes mellitos são os fatores associados à osteoporose. Já nas mulheres os fatores que mais se destacam são: envelhecimento, menopausa precoce e diabetes mellitos. Os pacientes portadores de osteoporose possuem graves consequências clínicas; a dor lombar é a mais comum delas, afetando a qualidade de vida do paciente. Exames de densitometria óssea e dos marcadores biológicos do metabolismo ósseo são realizados para detectar a doença. A atividade física é essencial para prevenção da doença, assim como eliminar os fatores de risco e uma dieta rica em cálcio e vitamina D. O objetivo do projeto foi avaliar a qualidade de vida em pacientes portadores de osteoporose residentes em Aguaí-SP. A metodologia utilizada foi descrita transversal e utilizou-se o questionário específico para osteoporose traduzido e adequado para o português, e com este foi possível avaliar a qualidade de vida dos pacientes portadores de osteoporose, sendo assim possível a elaboração de estratégias eficazes para benefícios destes pacientes. Os resultados mostraram que a maioria dos entrevistados portadores de osteoporose (68%) são do sexo feminino. Dos participantes 52% não praticam nenhuma atividade física, relacionando ao impacto negativo da qualidade de vida (QV). Os farmacêuticos possuem um papel importante para poder dar a assistência necessária visando uma melhoria na QV desses pacientes.

Palavras-chave


Osteoporose. Qualidade de vida. Densitometria Óssea.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, F.J.F.; ARAÚJO, A.E.R.; COELHO NETO, J.C. Efeitos do exercício resistido em idosos com osteoporose do programa de ação integrada para o aposentado – PAI. Revista do Hospital Universitário/UFMA. São Luís-MA, v.10, n.1, p.9-13, jan./abr., 2009. Disponível em:. Acesso em: 20 nov. 2014.

APOLINÁRIO, C.E. Densidade mineral óssea, deformidades vertebrais e qualidade de vida em homens com idade acima de 60 anos. 104f. 2012. Dissertação-Mestrado em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Universidade de Brasília, 2012. Disponível em:. Acesso em: 20 dez. 2014.

ARANHA, L.L.M. et al. Qualidade de vida relacionada à saúde em espanholas com osteoporose. Revista de Saúde Pública, São Paulo-SP, v.40, n.2, p.298-303, 2006. Disponível em:. Acesso em: 19 nov. 2014.

BARROS, I.A. et al. Qualidade de vida e intensidade de dor em portadores de osteoporose. ConScientiae Saúde, São Paulo-SP, v.9, n.4, p.63-641, 2010. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2014.

FERNANDES, R.A. et al. Fraturas do fêmur proximal no idoso: estudo de custo da doença sob a perspectiva de um hospital público no Rio de Janeiro, Brasil. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro-RJ, v.21 n.2, 2011. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2015.

LANZA, A.; DOURADO, C.; PINHEIRO, T.L.F. Ingestão de cálcio e densidade mineral óssea em grupos de terceira idade do município de Frederico Westphalen. Revista de Enfermagem, v.8, n.8, p.67-78, 2012. Disponível em: . Acesso em: 09 Nov. 2014.

LEMOS, M.C.D. et al. Qualidade de Vida em Pacientes com Osteoporose: Correlação entre OPAQ e SF-36. Revista Brasileira de Reumatologia, São Paulo-SP, v. 46, n.5, p.323-328, set./out. 2006. Disponível em:. Acesso em: 10 nov. 2014.

MARTINI, L.A. et al. Prevalência de diagnóstico auto referido de osteoporose, Brasil, 2006. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.43, n.2, p.107-116, 2009. Disponível em:< http://www.scielo.br>. Acesso em: 19 nov. 2014.

MARTINS, G.S.B. et al. Influência do Tabagismo e Alcoolismo na Densidade Mineral Óssea. Revista de Medicina e Saúde de Brasília, v.1, n.1, p.4‐9. 2012. Disponível em:. Acesso em: 19 nov. 2014.

MENEZES, R.L.; BACHION, M.M. Condições visuais autorrelatadas e quedas em idosos institucionalizados. Revista Brasileira de Oftalmologia, Rio de Janeiro, v.71 n.1,Jan./Fev. 2012. Disponível em:. Acesso em: 13 nov. 2014.

NAVEGA, M.T; AVEIRO, M.C; OISHI, J. A Influência de um Programa de Atividade Física na Qualidade de Vida de Mulheres com Osteoporose. Revista Fisioterapia em Movimento, Curitiba, v.19, n.4, p.25-32, out./dez., 2006. Disponível em:

. Acesso em: 20 nov. 2014.

OLIVEIRA, L.G.; GUIMARÃES, M.R.L. Osteoporose no homem. Revista Brasileira de Ortopedia, São Paulo, v.45, n.5, p.392-396, 2010. Disponível em:

. Acesso em: 19 nov. 2014..

SANTOS, M.N.F et al. Qualidade de vida e capacidade funcional de idosos com osteoporose. Revista Mineira de Enfermagem-REME, v.16, n.3,p.330-338, jul./set., 2012. Disponível em:. Acesso em: 20 nov. 2014.

SEGURA, D.C.A. et al. Relação entre atividade física e osteoporose. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, Umuarama, v.11, n.1, p.51-50, jan./abr. 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2014.

SOUZA, M.P.G. Diagnóstico e tratamento da osteoporose. Revista Brasileira de Ortopedia, São Paulo, v.45, n.3, p.220-229, 2010. Disponível em:

. Acesso em: 09 nov. 2014.

SOUZA, S.P.M.C. et al. Determinação do teor de cálcio em comprimido à base de lactato de cálcio utilizado no tratamento da osteoporose. Química Nova, São Paulo, v.35, n.7, p.1355-1359, 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2014..

TORQUATRO, I.M.B. et al. Osteoporose: conhecimento e identificação de fatores de risco em idosos. Revista de Ciências da Saúde Nova Esperança, João Pessoa-PB, v.10, n.2, Dez. 2012. Disponível em:. Acesso em: 13 nov. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.