CONTRIBUIÇÃO À SOLUÇÃO DO PROBLEMA DE DESPEJO IRREGULAR DE ESGOTO DOMÉSTICO

Rogério Marinho dos SANTOS, Antoniane Arantes de Oliveira ROQUE

Resumo


A destinação adequada do esgoto sanitário doméstico necessita de
atenção, em decorrência de sua influência nos âmbitos da degradação
do ambiente físico, no ocasionamento de doenças pela falta de
saneamento, e na contaminação de águas utilizadas para
abastecimento, gerando demasiados custos e prejudicando assim
investimentos em outras áreas. A solução para a destinação sanitária
do esgoto não envolve somente a questão técnica de um projeto de
engenharia, mas também o nível de informação de uma sociedade, que
deve respeitar e seguir as normas das instalações. Este trabalho teve
como objetivo mapear os tipos de vícios da população quanto à
destinação inadequada do esgoto doméstico, com uma pesquisa de
campo detalhada em três loteamentos de chácaras situadas no
município de Mogi Mirim/SP, onde foram verificados todos os
projetos aprovados pela prefeitura nos últimos dez anos, com o
objetivo de verificar se as fossas sépticas foram instaladas conforme o
projeto aprovado, utilizando-se para isso um levantamento in loco e
com auxílio de vetorizações com o software AutoCAD e imagens de
satélite do software Google Earth, a fim de documentarem-se os tipos
de casos existentes. Como resultado, verificou-se que o fato de se ter
um projeto aprovado e um responsável técnico, não representa uma
instalação correta e de acordo com as normas estabelecidas,
constatando-se que mais de 70% dos imóveis aprovados nos últimos
dez anos não atendem às especificações do projeto aprovado.


Palavras-chave


Esgoto. Saneamento. Fossas sépticas.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR – 13969: Tanques sépticos – Unidades de Tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos – Projeto, construção e operação.Rio de Janeiro, 1997.

_____.NBR 8160: Sistemas prediais de esgoto sanitário – Projeto e execução. Rio de Janeiro, 1999.

_____.NBR 12209: Projeto de estações de tratamento de esgoto sanitário. Rio de janeiro, 1992.

BRAGA, B. et al. Introdução à engenharia ambiental. 2. ed. São Paulo: Person Prentice Hall, 2005.

BERTOLLI FILHO, C. História da Saúde Pública no Brasil. 3. Ed. São Paulo:

ÁTICA. 1999.

CAMARGO, F. M. Avaliação qualitativa da contaminação microbiológica das

águas de poços no município de Carlinda–MT. Disponível em:. Acesso em: 04 mai 2015.

GALVÃO JÚNIOR, A.C.; SOBRINHO, G.B.; SILVA, A.C. (2012) Painel de

Indicadores para Planos de Saneamento Básico. in: PHILLIPPI JÚNIOR, A.& GALVÃO JÚNIOR, A.C. (Ed.). Gestão do Saneamento Básico: abastecimento de água e esgotamento sanitário. Barueri: Manole. P. 1040-1068.

GOOGLE EARTH-MAPAS. Disponível em: . Acesso em: 19 ago 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA (IBGE). Pesquisa

Nacional de Saneamento Básico (PNSB) 2008. Disponível

em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pnsb2008/PNSB_2008.pdf.> Acesso em: 15 ago 2012.

LISBOA, S.S, et al. Desafios do planejamento municipal de saneamento básico em municípios de pequeno porte: a percepção dos gestores. Eng Sanit. Ambient., Belo Horizonte MG,v.18, n.4, p. 341-348, out/dez 2013. Disponível em . Acesso em: 04 abr 2015.

OMS- ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. (2007) Doenças Ambientais

Matam 233 mil por ano no Brasil. Disponível em: Acesso em 05 abr 2015.

PEREIRA, A R. et al. Levantamento das ligações irregulares de esgoto sanitário em verde, GO1. Universidade Católica de Goiás (UCG). Goiás,curso de Especialização em Gestão Ambiental,2003. Disponível em:

. Acesso em: 08 abr 2015.

RESOLUÇÃO CONAMA nº 306, de 5 de julho de 2002 Publicada no DOU no 138, de 19 de julho de 2002, Seção 1, páginas 75-76 Disponível em:

. Acesso em: 08 mai 2015.

RUDKE, P. A, et al. Avaliação da disposição de fossas em relação aos poços domiciliares no perímetro urbano de Ji-paraná/RO. Unir, Ji-Parana-Ro, out/nov 2010. Disponível em:Acesso em 04 abr 2015.

TEIXEIRA, J.C. et al. Estudo do impacto das deficiências de saneamento básico sobre a saúde pública no Brasil no período de 2001 a 2009.Eng. Sanit. Ambient..Juiz de Fora,v.19, n.1, p. 87-96, jan/mar 2014. Disponível em:

. Acesso em: 04 abr 2015.

TSUTIYA, M. T. Abastecimento de Água. 1.ed. São Paulo: Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, 2004. 643 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.