ORIENTAÇÃO FARMACÊUTICA EM PACIENTES COM HIPERTENSÃO ARTERIAL VISANDO MELHORA NA ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA

Andre Luis Costa, Camila Stéfani Estancial Fernandes

Resumo


A hipertensão arterial é uma doença crônica de origem multifatorial. O tratamento é importante no controle da doença, impedindo a progressão e o aparecimento de complicações. Neste aspecto, a orientação farmacêutica mostra-se efetiva, pois melhora a adesão ao tratamento. Desta forma, objetivou-se proporcionar o serviço de orientação farmacêutica a pacientes hipertensos clientes de uma drogaria na cidade de Itapira/SP, além de avaliar a adesão do usuário aos medicamentos antes e após a orientação farmacêutica. O estudo contou com 20 pacientes, sendo 12 pacientes do sexo feminino e 8
pacientes do sexo masculino com idades que variaram entre 34 e 88 anos. O estudo transcorreu no período entre agosto e outubro do ano de 2014. Os indivíduos foram acompanhados durante um mês e meio, apenas aferindo pressão arterial uma vez por semana, sem qualquer orientação farmacêutica, além da aplicação de um questionário inicial, que avaliou a adesão ao tratamento. Após este período, iniciou-se a aplicação da orientação farmacêutica, que perdurou por mais um mês e meio, e também foi aplicado um questionário que avaliou a adesão ao tratamento a todos os pacientes. Ao término da pesquisa, concluiuse que houve redução de 58,3% quanto ao esquecimento da tomada da medicação, 84,6% quanto à decisão de não tomada da medicação, 81,8% quanto a suspender o tratamento quando se sente bem, ezerando as respostas positivas referentes à suspensão do tratamento quando se sentem mal, ratificando assim a importância do profissional farmacêutico junto ao controle e uso correto de medicamentos na hipertensão arterial.


Palavras-chave


Hipertensão. Atenção farmacêutica. Antihipertensivos.

Texto completo:

PDF

Referências


AIRES, C.N.F. Acompanhamento farmacoterapêuticoa hipertensos e diabéticos na Unidade de Saúde Tereza Barbosa: Análise de caso. Rev. Bras.Farm. Hosp. Serv. Saúde São Paulo vol.1 n.1 pág.27, 28 set./dez. 2010.

AMARANTES, L. C.; et.al. A influência do acompanhamento farmacêutico na adesão a terapia anti-hipertensiva e no grau de satisfação do paciente. Rev. Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, pág. 3,7,2010;31(3):2009-2015.

ANDRADE, J. P., et al. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertenção. Arq. Bras.

Cardiologia pág. 16, Supl.1 (1-51), Rio de Janeiro- 2010.

BARBOSA, R. G. B., LIMA, N. K. C., Indices de Adesão ao Tratamento Antihipertensivo no Brasil e Mundo, Rev. Brasileira de Hipertensão, vol. 13(1); 35-38, pág. 36, 2006.

BISSON, M. P.Fármacia Clínica & Atenção Farmacêutica, 2ª Edição, pág.3-4, 11-12, 144, Editora Barueri-2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Obesidade / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 108 p. il. - (Cadernos de Atenção Básica, n. 12) (Série A. Normas e Manuais Técnicos)

KNORST, D., ARAÚJO, B. V.; Atenção Farmacêutica em Pacientes Idosos

Hipertensos, Rev. Brasileira de Farmácia, 89(4): pág 293, 2008.

FONTES, J. S. Estudo de Perfil e Adesão de Usuários Hipertensos ao Tratamento Desenvolvido pelo Serviço de Atenção Farmacêutica da Fármacia, Escola da Universidade Federal da Paraiba, pág .06, 17, João Pessoa-2013.

FREITAS, K. M. Validação de um Instrumento (Questionário) de Atenção

Farmacêutica para Pacientes em Politerapia: Visitação Domiciliar. 2008. 73 f. Monografia (Especialização em Atenção Farmacêutica) Universidade Federal de Alfenas. Alfenas. Disponível em:

edu.br/gpaf/files/.../monografia%20kátia%20final.pdf>.

RENOVATO, R. D., TRINDADE, M. F. Atenção Farmacêutica na Hipertenção

Arterial em uma Farmácia em Dourados/MS. Revista Infarma, vol. 16, numero 11- 12, pág. 50, 2004


Apontamentos

  • Não há apontamentos.