ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS FARMACÊUTICOS NAS DROGARIAS E FARMÁCIAS DE MOGI GUAÇU E MOGI MIRIM

André Alexandre Danielli, Danyelle Cristine Marini, Nádia Regina Borim Zuim

Resumo


O comércio varejista brasileiro tem passado por mudanças nos últimos
anos. Atualmente as grandes redes de farmácias e drogarias já são iguais
em números que as farmácias independentes, mais em relação ao
faturamento as grandes redes passaram a dominar o mercado. A realidade
é que mesmo com o esforço das autoridades sanitárias, conselhos de farmácia o setor esta cada vez mais mercantilizada. O trabalho tem como objetivo demonstrar que as farmácias e drogarias podem ser utilizadas para a implantação de serviços de saúde, utilizando o espaço não somente com interesse comercial, mais também de utilização de serviços que ajudariam aos clientes, valorizariam o profissional farmacêutico e como consequência valorizariam o comércio e aumentando a fidelização do cliente. O estudo foi realizado no período de fevereiro a marco de 2014, foram entrevistados 41 profissionais farmacêuticos, sendo 18 em Mogi Mirim-SP e 23 em Mogi Guaçu-SP, entre Drogarias e Farmácias de acordo com lista fornecida pelo Conselho Regional de Farmácia e Secretaria de Saúde das respectivas cidades. As maiorias dos entrevistados são do sexo feminino (76%), recém-formados (68%), apenas 24% com cursos pósgraduação, com salários até quatro salários mínimos (68%). Dos estabelecimentos, 54% é composta por lojas independentes, sendo que 46% já pertencem a algum tipo de rede que trabalham até 16h por dia (58%), o que justifica a presença de dois ou mais farmacêuticos (82%). Apenas 32% dos estabelecimentos possuem sala de atendimento do farmacêutico independente da sala de serviço, o que demonstra a falta de estrutura desses estabelecimentos para a prestação de serviços de saúde. No Brasil, necessita-se de um maior entendimento por parte do comercio varejista de medicamentos, na contribuição que os mesmo podem oferecer a seus clientes, melhorando a fidelização e valorização de suas marcas e o profissional farmacêutico necessita ser o centro dessa mudança, com uma formação acadêmica mais clinica para poder oferecer esses serviços. 


Palavras-chave


Viabilidade da Atenção Farmacêutica. Serviços de Saúde. Comércio varejista de medicamento. Graduação profissional farmacêutico

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAFARMA Associação Brasileira de redes de Farmácias e Drogarias.

http://www.abrafarma.com.br/Abrafarma%20- 20Grandes%20N%C3%BAmeros%20- %20Jan2014.pdf Acesso em 13/10/14

CONSELHO REGIONAL FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CRF-SP)

Farmácia não é um simples comércio. Projeto: farmácia Estabelecimento de Saúde. Fascículo I. São Paulo, 2008/2009.

CRUCIOL e SOUZA, Joice Mara et. al. Avaliação da Formação Acadêmica dos Farmacêuticos Atuantes em Farmácias de Londrina – PR. Pharmacia Brasileira. Brasília – DF, Ano III, n. 34, p.54-55, out./nov. 2002.

DA SILVA, G.M.S; PINHEIRO, R.O. et al. Análise da automedicação no município de Vassouras – RJ. Infarma, v. 17, n. 5/6, 2005. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid. Acesso em 29 agosto de 2013.

DA SILVA, W. B A emergência da Atenção farmacêutica: um olhar epistemológico e contribuições para seu ensino. 2009. Disponível em: http://www.ufsc.br />. Acessado: em 22 Agosto 2013.

FARINA,S. S; ROMANO-LIEBER, N. S – Atenção Farmacêutica em Farmácias e Drogarias: existe um processo de mudança? 2009

http://www.revistas.usp.br/sausoc/article/viewFile/29507/31368 .> Acessado em 15/10/2014

HEPLER,C.D.STRAND,L.M. Opportunities and responsibilities in pharmaceutical care. Am. J. Hosp. Pharm. Bethesda. 1990.

LAMB, Charles W. Jr., HAIR, Joseph F. Jr. ,McDANIEL, Carl. Princípios de

Marketing. 2 ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

MIKEAL, R. L. Quality of Pharmaceutical Care in Hospitals. American Journal of Hospital Pharmacy.1975.

MARINI, D.C. Um Estudo Demográfico/Cartográfico e Análise das Matrizes

Curriculares dos Cursos de Farmácia. 2015. 366 f. (Tese de doutorado em

Educação), Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2015.

OLIVEIRA, C. P -Marketing de Varejo: Um estudo de caso na rede de drogarias Alterosa, 2003. http://www.repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/123456789/759/2/20101106.pdf Acesso em 07/11/2014.

PERREAULT, William D. Jr; McCARTHY, E. Jerome. Princípios de Marketing. Rio de Janeiro: LTC, 2002. (A Global – Managerial Approach)

PFARMA - ESTABELECIMENTO COMERCIAL FARMÁCIA - FICHA

TÉCNICA http://pfarma.com.br/farmaceutico-drogaria-varejo/146-farmacia-ficha-tecnica.html ACESSADO em 07/11/2014.

PIRES, Aníbal. Marketing: conceitos, técnicas e problemas de gestão. 2 ed. São Paulo: Verbo, 1998.

REVISTA GUIA DA FARMÁCIA Ultima opção p. 84 a 68; Sexo forte p. 72 a 76 ANO XXI n° 255 Fevereiro de 2014.

RIGO K.G.P; NISHIYAMA P. A evolução da farmacovigilância no Brasi.l. ActaSci Health Sci. 2005

RIES, Al. Foco: uma questão de vida ou morte para sua empresa. São Paulo: Makron Books, 1996.

SANTOS, M. S; LIMA, L. T; VIEIRA, M. R. S. Por que o Farmacêutico se afastou das drogarias? Análise do interesse dos farmacêuticos da cidade de Santos-Sp em trabalhar com dispensação de medicamentos 2005.

http://www.cff.org.br/sistemas/geral/revista/pdf/18/farmaceuticos_se_afastou.pdf. > Acesso em 28/10/2014

SEMENIK, Richard J., BAMOSSY, Gary J. Princípios de Marketing: uma

perspectiva global. São Paulo: Makron Brooks, 1995

SEVALHO G. O.medicamento percebido como o objeto e híbrido: uma visão crítica do uso racional. In: ACURCIO, F. A. (Org.) Medicamentos e assistência farmacêutica. Belo Horizonte: COOPMED, 2003.p. 1-8.

SITTA E.I; ARAKAWA A.M; CALDANA M.L; PERES S.H.C.S. A Contribuição de Estudos Transversais na Área da Linguagem com Enfoque em Afasia. Disponível em http:/www.scielo.br/> Acesso em 09 Março 2014.

VALLADÃO, M. L. F. et al. Os (dês) Caminhos do ensino de farmácia no Brasil. Ver Farma Bioq UFMG. Belo Horizonte, v. 7. p. 63-74, 1986.

______________A profissão e o ensino de farmácia na visão dos novos profissionais mineiros. Belo Horizonte: Faculdade de Farmácia da UFMG. 1981. 28 p. Relatório de Pesquisa do Projeto de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino Superior – ÀDES (datilografado).

ZUBILOLI, A. Profissão: farmacêutico. E agora? Curitiba: Editora Lovise; 1992. p.58.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.