DIMENSIONAMENTO DO SISTEMA COLETOR DE ESGOTOS DOMÉSTICOS DO LOTEAMENTO PARQUE DAS PALMEIRAS – AGUAÍ – SP

Jorge Luis Rocha Junior, Lucas Edgar Pereira Pancieri, Mariane Alves de Godoy Leme

Resumo


O Brasil tem ampliado os serviços de saneamento, no entanto não consegue acompanhar o ritmo acelerado da expansão urbana. Com 49% do esgoto coletado, mas apenas 10% tratado, os casos de doenças causadas por contato com esgoto não tratado são dos tipos mais variados. Dentro dos quatro princípios fundamentais de saneamento básico, o esgoto doméstico é gerado a partir da água de abastecimento e, portanto, sua medida resulta da quantidade de água consumida. Visto a importância do sistema coletor de esgotos sanitários, foram realizadas neste trabalho as análises dos cálculos e parâmetros de projeto para o dimensionamento do sistema coletor de esgotos domésticos do Loteamento Parque das Palmeiras, localizado no município de Aguaí, interior do Estado de São Paulo, apresentando as infraestruturas atualmente aplicadas para a coleta do esgoto doméstico em loteamentos. Para a análise dos cálculos e parâmetros de projeto do dimensionamento da rede coletora de esgotos foram coletadas informações junto aos responsáveis pelo desenvolvimento do loteamento, além do estudo de projetos prévios do local. Foram apresentados os resultados para o dimensionamento de um total de 472 lotes e uma população estimada de 1.888 habitantes, o que possibilitou uma vazão máxima diária de esgoto de 302,3 m³/dia, que seria o pior caso de vazão para a rede coletora. As tubulações de coleta do esgoto dentro do loteamento ficaram projetadas para material PVC de 50, 75 e 100 mm de diâmetro, o que enquadra aos valores atuais de mercado e uso na construção civil.


Palavras-chave


Saneamento Básico, Loteamentos, Esgoto Sanitário

Texto completo:

PDF

Referências


AMBROZEWICZ, P.H.L. Materiais de construção – Normas, especificações, aplicação e ensaios de laboratório. São Paulo: PINI, 2012.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND - ABCP. Fôrmas. São Paulo: ABCP, 2002 Disponível em: . Acesso: 10 Mai. 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS E TÉCNICAS. NBR 7229: Projeto, construção e operação de sistemas de tanques sépticos. Rio de Janeiro, 1993.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS E TÉCNICAS. NBR 9062: Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Pré-Moldado. Rio de Janeiro, 2001.

BONDAVALLI, P.A. Rede Coletora De Esgoto Doméstico – Loteamento Nova Lages – Lages (SC), 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 Out. 2017.

BORGES, A. C. Topografia: Aplicada à Engenharia Civil. 3.ed.São Paulo: Blucher, 2013.

BRASIL. Lei n° 6.766 de 19 de Dezembro de 1979. Dispõe sobre o parcelamento e uso do solo urbano e dão outras providências como os exemplos, dos requisitos Urbanísticos para loteamento. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília, DF, Brasil.

BRASIL. Lei 11.445 de 05 de Janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei no 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências. Publicado no DOU de 8.1.2007 e retificado no DOU de 11.1.2007.Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília, DF, Brasil.

CAVINATTO, V. M. Saneamento básico: fonte de saúde e bem-estar. São Paulo: Moderna, 1992.

ECOCASA. Tecnologias Ambientais. Esgoto Doméstico: como converter um problema ambiental em solução inteligente. Site Oficial. 2014. Disponível em: . Acesso em: 02 Mar. 2017.

FERNANDES, C. Esgotos Sanitários. João Pessoa: Ed. Univ./ UFPB

FRANCISCO, W. C. Saneamento no Brasil, 2013. Disponível em: Acesso em: 06 Mai. 2017.

GUIMARÃES, A. J. A.; CARVALHO, D. F. de; SILVA, L. D. B. da. Saneamento básico. Disponível em: . Acesso em: 11 Abr. 2017.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTISCA. IBGE Cidades. Aguaí. Disponível em: . Acesso em: 05 Nov. 2017.

NAKAYAMA, P. T. Dimensionamento da rede de esgoto, 2013. Disponível em: Acesso em: 09 Mai. 2017.

NUVOLARI, A. (coord.), Esgoto Sanitário: coleta, transporte e reuso agrícola. 2.ed. São Paulo: Blucher, 2011.

ONU – Organização das Nações Unidas. Programa da Década da Água da ONU-Água sobre Advocacia e Comunicação (UNW-DPAC), 2015. Disponível em: Acesso em: 30 Mar. 2016.

SABESP – Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo. Coleta de Esgoto. Site Oficial. 2013. Disponível em: . Acesso em: 02 Mai. 2017.

SABESP – Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo. NTS – NORMA TÉCNICA SABESP 025. Projeto de Redes Coletoras de Esgoto. São Paulo. 2006. Disponível em: . Acesso em: 05 Set. 2017.

VON SPERLING, MARCOS; Introdução a qualidade das águas e ao tratamento de esgotos, Belo Horizonte: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambienta 3ª Ed./ Universidade Federal de Minas Gerais, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.